Felina de 17 anos há cinco meses foi diagnosticada com linfoma intestinal, em que foi realizada ultrassonografia abdominal e foram visualizados linfonodos cólicos com aumento de volume e alteração no hemograma.

No mês atual, foi feita uma nova ultrassonografia para avaliar a evolução do tratamento quimioterápico e foi observada diminuição do volume dos linfonodos mas estes ainda visualizados.

 

 

 

Imagens do exame atual (exame anterior foi feito por outro colega):

_miles_fel_linfonodos_20161221143608_1446330 _miles_fel_linfonodos_20161221143608_1449160



 

Alterações de tamanho, formato, contorno, ecogenicidade e ecotextura, são indícios de algum processo inflamatório (linfadenopatia), que tem se diferenciar de alteração maligna de benigna.

Alterações internas dos linfonodos tendem a serem mais afetadas por neoplasias. Linfonodos inflamatórios geralmente são mal definidos e hilo hiperecóico; os malignos não inflamados possuem um contorno mais acentuado podendo haver reforço acústico e hipoecóicos.

Segue-se a baixo dois casos distintos de cães com aumento de linfonodos regionais, com alteração em parênquimas hepáticos (grosseiro) e esplênicos (aspecto rentilhado):

Bibliografia: Atlas de Ultrassonografia de Pequenos Animais;ed. Guanabara Koogan; Pennick Dominique. & D`Anjou Marc-André.

Canino da raça Dálmata de 3 anos, com aumento de linfonodos regionais abdominais (esplênico, mesentéricos, hepático, renais, intestinais)…e subcutâneos (submandibular, poplíteo, axilar, inguinal):

_bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1220400 _bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1221400 _bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1222560 _bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1227250

_bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1229040

Canino da raça Labrador de 8 anos com aumento de linfonodos similares ao do animal a cima:

_bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1444130 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1445040 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1446110 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1447560 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1448360 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1451540

 


Canino Golden Retrivier de 10 anos, no exame clínico apresentou severa  distensão da vesícula urinária.

No exame ultrassonográfico foi observada vesícula urinária  severamente distendido com grande quantidade de celularidade,cristais e coágulos. Rins com dilatação em pelve, sendo no rim esquerdo com dilatação de ureter até porção distal (hidroureter e hidronefrose discreta). Uretra prostática e penina com dilatação podendo considerar uma uretrite ou processo obstrutivo.

Ainda foi visualizado linfonodo mesentérico reativo sinalizando possível processo inflamatório ou neoplásico.

Foi recomendado associar com outros exames complementares para fechar o diagnóstico (urografia excretora/ radiografia).

_LION_CAN_10A_GOLDEN__LION_CAN_10A_GOLDEN_2_LION_CAN_10A_GOLDEN_3_LION_CAN_10A_GOLDEN_4_LION_CAN_10A_GOLDEN_5_LION_CAN_10A_GOLDEN_6


Por o site estar há um tempo sem posts novos. Resolvi publicar alguns casos da minha rotina que considero relevantes e peculiares. Vou publicando mais casos com o decorrer da semana.

Canina poodle de 13 anos com alterações neurológicas e síndrome vestibular; aumento da fosfatase alcalina e enzimas renais. Foi visualizado em topografia de rim direito, uma estrutura medindo 6,0cm (volume aumentado), apresentou pelve dilatada por conteúdo anecóico com estruturas hiperecóicas em suspensão (celularidade/cristais) e faixas hiperecóicas periféricas compatíveis com septo interventricular, sugerindo hidronefrose severa. Ureter direito dilatado até a região distal, medindo até 1,2cm de diâmetro (hidroureter).

_BELINHA_CAN_13A_POODLE_20160213111524_1124430 _BELINHA_CAN_13A_POODLE_20160213111524_1125340

 

Felino de dois anos, foi observada em região mesogástrica estrutura tubular de contornos irregulares, heterogênea com conteúdo hiperecóico fazendo reverberação (gás?) e com perda de arquitetura em segmento de cólon medindo cerca de 5,0cm. Nos demais segmentos de alça, as paredes estavam preservadas no momento do exame. Peristaltismo habitual (enteropatia). Mesentério adjacente hiperecóico difuso (reativo) com presença de ligeira quantidade de líquido livre abdominal ecogênico, sugerindo processo inflamatório (peritonite). Possivelmente um Linfoma intestinal… Animal não fez o teste de FIV/FELV. Ele veio a óbito horas depois…e não foi feita necrópsia.

_LUAN_FEL_2A_PCB_20151211094448_1001150 _LUAN_FEL_2A_PCB_20151211094448_1005590

 

Canino de 1,5 anos, com suspeita de leptospirose, no exame clínico foram observadas mucosas ictéricas, aumento abdominal, urina escura e prostração. No exame ultrassonográfico foi observada bexiga com intensa celularidade e coágulos, líquido livre abdominal, fígado com diminuição do tamanho e contornos irregulares(cirrose), e pancreatite.

_AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1342040 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1343170 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1344440 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1349150 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1350270 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1351280


Felino de 13 anos, apresentou dor abdominal, a proprietária relatou que o animal está sem comer e não sabe se ele está urinando. No exame clínico, na palpação abdominal sua bexiga estava com pouca repleção. Exames laboratoriais apresentaram uma anemia discreta e enzimas hepáticas e renais normais.
No exame ultrassonográfico apresentou aumento hepático com presença de infiltrado gorduroso, rins diminuídos de tamanho com corticais espessas e hiperecóicas, diminuição da cortico-medular e dilatação de pelve renal e ainda presença de um linfonodo mesentérico reativo.

 

_MICUIM_FEL_13A_SIAMES_0 _MICUIM_FEL_13A_SIAMES_irc _MICUIM_FEL_13A_SIAMES_linfonodo e irc _MICUIM_FEL_13A_SIAMES_linfonodo_MICUIM_FEL_13A_SIAMES_fig


FREDERICO_FEL_PCB_5M_EDNA_GONCALVES_20140121151952_1525550FREDERICO_FEL_PCB_5M_EDNA_GONCALVES_20140121151952_1525120

Um felino de 5 meses, com efusão pleural já avançada, havia feito um primeiro exame de ultrassonografia, no qual, foi visualizada uma estrutura lateral ao rim esquerdo e próxima ao estômago, em que supostamente poderia ser um corpo estranho que o animal tivesse ingerido, pois ele apresentou vômitos .

Como o animal não melhorou, o veterinário pediu um novo exame. Quando foi colocado o transdutor no local em que poderia haver a estrutura, foi observada uma imagem ovalada, com áreas hiperecóicas (mais claras) e com a utilização do modo Doppler, apresentou vascularização, e consequentemente com o seguimento do exame, outras estruturas parecidas foram visualizadas por todo o abdômen.  Sugerindo na imagem linfadenopatia.

Linfonodos aumentados geralmente são mais arredondados, no caso de neoplasias suas proporções que comparam eixo curto com eixo longo, aumentam mais significativamente e sua arquitetura interna é mais afetada. No caso dos reativos, são mais hiperecóicos (claros), já nos neoplásicos, são hipoecóicos (escuros), embora possa haver áreas de aumento de ecogenicidade se existir necrose, hemorragia ou mineralização.

Em região pancreática, também se observou uma mudança na ecogenicidade de seu parênquima e um aumento em sua espessura com o mesentério adjacente bem claro, caracterizando um processo inflamatório. Sugerindo pancreatite.

A proprietária relatou que o animal é vacinado e não fica solto, nem tem convívio com outros gatos.

Qual seria a suspeita clínica?

FREDERICO_FEL_PCB_5M_EDNA_GONCALVES_20140121151952_1525550

 

FREDERICO_FEL_PCB_5M_EDNA_GONCALVES_20140121151952_1525550