Canino SRD de 2 anos apresentou alterações de enzimas renais (creatinina 8), então o clínico solicitou uma ultrassonografia abdominal, na qual, foram visualizadas alterações no parênquima renal, além de líquido livre em região sub-capsular renal (presença do halo ao redor do rim com falência aguda) , dilatação de ureteres proximais, além de outras alterações como: espessamento da parede gástrica e entérica; aumento do volume esplênico e hepático; cristalúria em vesícula urinária e dilatação de uretra; turbilhonamento em veia cava caudal.

 

Imagens renais:

_tiger_can_1_5a_20161222141319_1420540 _tiger_can_1_5a_20161222141319_1421320 _tiger_can_1_5a_20161222141319_1428460

_tiger_can_1_5a_20161222141319_1435320

 

Alterações em outros órgãos:

_tiger_can_1_5a_20161222141319_1417150 _tiger_can_1_5a_20161222141319_1418220_tiger_can_1_5a_20161222141319_1427520


Por o site estar há um tempo sem posts novos. Resolvi publicar alguns casos da minha rotina que considero relevantes e peculiares. Vou publicando mais casos com o decorrer da semana.

Canina poodle de 13 anos com alterações neurológicas e síndrome vestibular; aumento da fosfatase alcalina e enzimas renais. Foi visualizado em topografia de rim direito, uma estrutura medindo 6,0cm (volume aumentado), apresentou pelve dilatada por conteúdo anecóico com estruturas hiperecóicas em suspensão (celularidade/cristais) e faixas hiperecóicas periféricas compatíveis com septo interventricular, sugerindo hidronefrose severa. Ureter direito dilatado até a região distal, medindo até 1,2cm de diâmetro (hidroureter).

_BELINHA_CAN_13A_POODLE_20160213111524_1124430 _BELINHA_CAN_13A_POODLE_20160213111524_1125340

 

Felino de dois anos, foi observada em região mesogástrica estrutura tubular de contornos irregulares, heterogênea com conteúdo hiperecóico fazendo reverberação (gás?) e com perda de arquitetura em segmento de cólon medindo cerca de 5,0cm. Nos demais segmentos de alça, as paredes estavam preservadas no momento do exame. Peristaltismo habitual (enteropatia). Mesentério adjacente hiperecóico difuso (reativo) com presença de ligeira quantidade de líquido livre abdominal ecogênico, sugerindo processo inflamatório (peritonite). Possivelmente um Linfoma intestinal… Animal não fez o teste de FIV/FELV. Ele veio a óbito horas depois…e não foi feita necrópsia.

_LUAN_FEL_2A_PCB_20151211094448_1001150 _LUAN_FEL_2A_PCB_20151211094448_1005590

 

Canino de 1,5 anos, com suspeita de leptospirose, no exame clínico foram observadas mucosas ictéricas, aumento abdominal, urina escura e prostração. No exame ultrassonográfico foi observada bexiga com intensa celularidade e coágulos, líquido livre abdominal, fígado com diminuição do tamanho e contornos irregulares(cirrose), e pancreatite.

_AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1342040 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1343170 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1344440 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1349150 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1350270 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1351280


12set

Colite

O cólon ajuda a manter os equilíbrios hídrico e eletrolítico e absorver nutrientes;ele também armazena temporariamente fezes e proporciona um ambiente para microrganismos. As colonopatias prejudicam estas funções, e segue-se a diarreia. Já se estimou que cerca de 1/3 dos cães com diarreia crônica apresentam colite. Pode ser classificada de quatro formas: eosinofílica, linfócito-plasmocitária, histiocitária e granulomatosa. A síndrome hipereosinofílica dos gatos é uma variante da enterite eosinofílica, com envolvimentos hepáticos, esplênicos e nos linfonodos renais, mesentéricos adrenais e cardíacos.

A colite aguda pode ser por infiltração mucosa  (ulcerações epiteliais). A crônica  ocasiona uma infiltração com mais fibrose podendo ter uma ulceração também.

Animais com colite apresentam histórico de tenesmo (dor ao defecar) e de fezes com muco, algumas vezes com sangue.

Uma avaliação completa do cólon inclui endoscopia e biópsia. Na ultrassonografia se evidencia as camadas da mucosa do cólon espessadas e de forma difusa, com lesões hiperecóicas e irregulares com conteúdo líquido a pastoso em seu lúmen.

 

Fontes: Manual Merck de Veterinária;  oitava edição; ROCA; Atlas de Ultrassonografia de Pequenos Animais; Dominique Pennick; GEN

- Imagens de colite em cães: