Canino SRD de 2 anos apresentou alterações de enzimas renais (creatinina 8), então o clínico solicitou uma ultrassonografia abdominal, na qual, foram visualizadas alterações no parênquima renal, além de líquido livre em região sub-capsular renal (presença do halo ao redor do rim com falência aguda) , dilatação de ureteres proximais, além de outras alterações como: espessamento da parede gástrica e entérica; aumento do volume esplênico e hepático; cristalúria em vesícula urinária e dilatação de uretra; turbilhonamento em veia cava caudal.

 

Imagens renais:

_tiger_can_1_5a_20161222141319_1420540 _tiger_can_1_5a_20161222141319_1421320 _tiger_can_1_5a_20161222141319_1428460

_tiger_can_1_5a_20161222141319_1435320

 

Alterações em outros órgãos:

_tiger_can_1_5a_20161222141319_1417150 _tiger_can_1_5a_20161222141319_1418220_tiger_can_1_5a_20161222141319_1427520


 

Alterações de tamanho, formato, contorno, ecogenicidade e ecotextura, são indícios de algum processo inflamatório (linfadenopatia), que tem se diferenciar de alteração maligna de benigna.

Alterações internas dos linfonodos tendem a serem mais afetadas por neoplasias. Linfonodos inflamatórios geralmente são mal definidos e hilo hiperecóico; os malignos não inflamados possuem um contorno mais acentuado podendo haver reforço acústico e hipoecóicos.

Segue-se a baixo dois casos distintos de cães com aumento de linfonodos regionais, com alteração em parênquimas hepáticos (grosseiro) e esplênicos (aspecto rentilhado):

Bibliografia: Atlas de Ultrassonografia de Pequenos Animais;ed. Guanabara Koogan; Pennick Dominique. & D`Anjou Marc-André.

Canino da raça Dálmata de 3 anos, com aumento de linfonodos regionais abdominais (esplênico, mesentéricos, hepático, renais, intestinais)…e subcutâneos (submandibular, poplíteo, axilar, inguinal):

_bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1220400 _bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1221400 _bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1222560 _bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1227250

_bily_can_3a_dalmata_20161108120520_1229040

Canino da raça Labrador de 8 anos com aumento de linfonodos similares ao do animal a cima:

_bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1444130 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1445040 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1446110 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1447560 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1448360 _bombom_can_8a_labrador_20161110144216_1451540

 


Cadela de 3 anos cruzou a 35 dias, apresentando secreção sanguinolenta.

No exame ultrassonográfico foram visualizadas pelo menos seis vesículas gestacionais, com a presença de fetos sem batimento com espessamento da parede da vesícula, e tendo pelo menos um feto bem formado com definição de tórax a abdomen, e os outros com formação óssea e pouca definição de tórax e abdomen.

Ainda foi visto o baço bem aumentado e fígado hipoecóico da cadela. Sugerindo uma possível hemoparasitose e morte fetal em várias fases gestacionais.

Em alguns casos hemoparasitoses (doença do carrapato), acabam baixando muito o sistema imune, e com isso a gestação é interrompida, ou pode haver má formação fetal. O fígado hipoecóico também justificaria uma hepatopatia aguda (toxemia).

_PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1141580 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1143020 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1145180 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1147210 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1148240 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1148450 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1155280 _PALOMA_CAN_3A_SRD_20160513114009_1202390


Canino Golden Retrivier de 10 anos, no exame clínico apresentou severa  distensão da vesícula urinária.

No exame ultrassonográfico foi observada vesícula urinária  severamente distendido com grande quantidade de celularidade,cristais e coágulos. Rins com dilatação em pelve, sendo no rim esquerdo com dilatação de ureter até porção distal (hidroureter e hidronefrose discreta). Uretra prostática e penina com dilatação podendo considerar uma uretrite ou processo obstrutivo.

Ainda foi visualizado linfonodo mesentérico reativo sinalizando possível processo inflamatório ou neoplásico.

Foi recomendado associar com outros exames complementares para fechar o diagnóstico (urografia excretora/ radiografia).

_LION_CAN_10A_GOLDEN__LION_CAN_10A_GOLDEN_2_LION_CAN_10A_GOLDEN_3_LION_CAN_10A_GOLDEN_4_LION_CAN_10A_GOLDEN_5_LION_CAN_10A_GOLDEN_6


O primeiro caso clínico, foi uma cadela Poodle de 18 anos, com suspeita clínica de piometra fechada (infecção uterina). No exame clínico apresentou dor abdominal e convulsão.

No exame ultrassonográfico foi observado aumento do útero e paredes hiperecóicas e espessadas com moderado líquido livre abdominal e ainda apresentava uma massa heterogênea de contornos irregulares. Além de gastroenterite e doença renal crônica.

O animal veio a óbito durante o exame ultrassonográfico.

_CRISTAL_CAN_POODLE_18A_20160222120249_1204280 _CRISTAL_CAN_POODLE_18A_20160222120249_1204380 _CRISTAL_CAN_POODLE_18A_20160222120249_1206210_CRISTAL_CAN_POODLE_18A_20160222120249_1209020

 

O outro caso clínico, foi de uma cadela de 16anos SRD, que na bioquímica apresentou aumento das enzimas hepáticas, a urina com odor forte e concentrada.

No exame ultrassonográfico foi visualizado; em vesícula urinária intensa celularidade e cristais; rim direito com presença de dois cistos em córtex renal; Adrenais com grande aumento de volume, sendo a esquerda levemente heterogênea; o fígado apresentou  parênquima heterogêneo com presença de nódulos hipoecóicos e um cisto em lobo direito e vesícula biliar com intensa lama e cálculos com dilatação de ducto cístico.

_CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1224460 _CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1227430 _CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1230420 _CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1231210 _CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1232500 _CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1234520 _CHENA_CAN_SRD_16A_20160222122350_1238410

 


Por o site estar há um tempo sem posts novos. Resolvi publicar alguns casos da minha rotina que considero relevantes e peculiares. Vou publicando mais casos com o decorrer da semana.

Canina poodle de 13 anos com alterações neurológicas e síndrome vestibular; aumento da fosfatase alcalina e enzimas renais. Foi visualizado em topografia de rim direito, uma estrutura medindo 6,0cm (volume aumentado), apresentou pelve dilatada por conteúdo anecóico com estruturas hiperecóicas em suspensão (celularidade/cristais) e faixas hiperecóicas periféricas compatíveis com septo interventricular, sugerindo hidronefrose severa. Ureter direito dilatado até a região distal, medindo até 1,2cm de diâmetro (hidroureter).

_BELINHA_CAN_13A_POODLE_20160213111524_1124430 _BELINHA_CAN_13A_POODLE_20160213111524_1125340

 

Felino de dois anos, foi observada em região mesogástrica estrutura tubular de contornos irregulares, heterogênea com conteúdo hiperecóico fazendo reverberação (gás?) e com perda de arquitetura em segmento de cólon medindo cerca de 5,0cm. Nos demais segmentos de alça, as paredes estavam preservadas no momento do exame. Peristaltismo habitual (enteropatia). Mesentério adjacente hiperecóico difuso (reativo) com presença de ligeira quantidade de líquido livre abdominal ecogênico, sugerindo processo inflamatório (peritonite). Possivelmente um Linfoma intestinal… Animal não fez o teste de FIV/FELV. Ele veio a óbito horas depois…e não foi feita necrópsia.

_LUAN_FEL_2A_PCB_20151211094448_1001150 _LUAN_FEL_2A_PCB_20151211094448_1005590

 

Canino de 1,5 anos, com suspeita de leptospirose, no exame clínico foram observadas mucosas ictéricas, aumento abdominal, urina escura e prostração. No exame ultrassonográfico foi observada bexiga com intensa celularidade e coágulos, líquido livre abdominal, fígado com diminuição do tamanho e contornos irregulares(cirrose), e pancreatite.

_AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1342040 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1343170 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1344440 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1349150 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1350270 _AMORA_CAN_1_5A_SRD_20150928133856_1351280


Canino com possível choque séptico. Nota-se o fígado bem hipoecóico,  rins com aumento de volume e corticais espessas (IRA) e esplenomegalia. No exame laboratorial, apresentou aumento de úreia, creatinina, ALT, AST e fofastase.
O clínico relatou que o animal foi mordido durante uma briga com outro cão, onde no local da mordida, após dois dias já estava com miíase e o animal não se levantava, estava com olhar fixo e membros rígidos…

_CREISSON_CAN_10A_SRD_baco_CREISSON_CAN_10A_SRD_fig_CREISSON_CAN_10A_SRD_ifg2_CREISSON_CAN_10A_SRD_ira


Os processos inflamatórios hepáticos difusos podem revelar características ultrassonográficas variáveis. Os distúrbios hepáticos difusos podem ser difíceis de ser diferenciados de doenças multifocais maldefinidas. A ecogenicidade parenquimatosa pode estar aumentada, reduzida ou não afetada.

Em gatos a colangiohepatite está mais comumente associada a diminuição na ecogenicidade parenquimatosa e aumento da visibilidade da vasculatura portal. Em cães, a hepatite aguda também tende a causar hipoecogenicidade hepática difusa.

Por outro lado, a hepatite crônica tende a estar associada à fibrose, com a ecogenicidade aumentada. A presença de inflamação ativa crônica, edema, fibrose e necrose, bem como nódulos regenerativos (hiperplasia), tendo um fígado heterogêneo com ecogenicidade mista.

 

Fonte: Atlas de Ultrassonografia de Pequenos Animais; Penninck & D`Anjou.

 

Diferença de parênquimas em dois animais; a primeira imagem de um fígado hiperecóico (ecogenicidade difusa) com intensa lama biliar em vesícula biliar, as duas imagens seguintes são de um fígado hipoecóico de um cão com suspeita de hemoparasitose e Fosfatase Alcalina fora dos limites padrões:

_LUNA_CAN_8A_POODLE _PANDA_CAN_10A_SRD_1 _PANDA_CAN_10A_SRD_2


Nas cadelas adultas, pode ocorrer inflamação vaginal. Sendo rara em gatas. A vaginite quase sempre se dá por uma infecção bacteriana, que pode ser secundária a anormalidades conformacionais. Uma infecção viral, corpo estranho vaginal, neoplasia, hiperplasia vaginal, esteróides androgênicos ou situações intersexuadas também podem causar vaginite (Merck, 2001).

O sinal clínico mais comum é secreção vulvar. Também pode se observar lambedura vulvar, atração de machos e micção frequente. O hemograma e bioquímico estarão normais, com isso, pode se diferenciar vaginite de piometra de cérvix aberta. Para diagnóstico diferencial a ultrassonografia é o exame mais indicado (Merck, 2001).

A involução uterina pós-parto ocorre em 9 a 12 semanas, havendo presença de lóquio (secreção hemorrágica) durante quatro a seis semanas, fisiológico durante esse período, já queestá ocorrendo a reconstrução do endométrio. Mas, em algumas das vezes estas secreções podem ser preocupantes, fazendo com que a ultrassonografia seja muito importante para uma involução uterina normal no pós-parto, identificando possíveis alterações como retenção de placenta, metrite, etc. Caracterizando pelo aumento da parede uterina e conteúdo em seu lúmen (Carvalho, 2004).

Acompanha-se normalmente até 24 dias após o parto, sendo que nos primeiros dias, suas paredes estarão espessas e irregularescom conteúdo luminal e restos de membranas fetais e maternas. Após 24 dias, suas paredes estarão finas e com conteúdos luminal mais homogêneo à medida que os líquidos forem expelidos. Quando a involução se completa, os cornos uterinos se apresentam tubulares, uniformes e hipoecogênicos (Carvalho, 2004).

Muitas vezes é difícil distinguir no exame ultrassonográfico, coágulos e restos de membranas de retenção de placenta (fisiológicos). Deve se considerar a diminuição ou não do tamanho uterino (Carvalho, 2004).

Imagem de uma cadela com conteúdo com celularidade em cérvix após o parto, em exame clínico, foi observada secreção mucopurulenta (provavelemente vaginite):

picer2 pilcervix piut

Imagem de uma felina do útero após abortamento, a diferenciação é bem discreta, pois em ambos os casos ainda haverá conteúdo com celularidade em útero, tendo que fazer um acompanhamento para evitar uma infecção secundária:

FRAJOLA_FEL_PCB7A_ALINE_20140203152150_1525500 FRAJOLA_FEL_PCB7A_ALINE_20140203152150_1532130

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


A cistite polipóide causa espessamento de parede pela presença de múltiplas e pequenas massas que se projetam para o lúmen. A avaliação citológica ou histológica se faz necessária na diferenciação de pólipos e neoplasia (Carvalho, 2004).

* para visualizar o vídeo do exame feito no animal a seguir, acesse https://www.facebook.com/veterinariapriscillapinel .

Imagem de um canino SRD com espessamento de parede e presença de forma vegetativa em parede:

VIDA_CAN_SRD_9A_SANDRO_20140603105916_1102030 VIDA_CAN_SRD_9A_SANDRO_20140603105916_1102500